jesse

Vou contar o meu segredo: 24 Horas de Poder

jesse

Muita gente tem notado a minha mudança de vida. Não sou mais visto bebendo todas em bares, nem virado nas noitadas desregradas. Estou mais disciplinado, centrado, lidando muito melhor com quem sou eu de verdade, além das máscaras. Como mudei? Vou contar o meu segredo: 24 Horas de Poder. É um workshop voltado para ativar seu “Eu Interior”. Sim, um papo um tanto mágico e diferente que pode desagradar ateus e céticos, mas que está funcionando muito bem para mim. O terapeuta de Poder Pessoal que realiza esse workshop é o Mauricio de Luna e hoje o levei ao programa Planeta Mulher, que produzo na TV Cidade. Designar o Mauricio para a apresentadora do programa, Vera Galhardi, não foi fácil, pois ele não é somente um terapeuta, ou um xamã, ou um sacerdote da Umbanda. Mas Vera não errou ao chamá-lo de xamã mesmo, ainda que depois ele tenha feito uma ressalva que é um iniciado em Xamanismo, mas não vem de uma linhagem de xamãs e pajés. Isso já mostrou credibilidade, tudo muito verdadeiro, sem falsos rótulos. Não é um picareta aventureiro entre tantos que vemos se apresentando no mercado com “amarração do amor” e o escambau. Sua Umbanda não é a típica do ilê tradicional (se é que isso existe, pois cada terreiro tem sua particularidade), seu trabalho é realmente embasado em muitas iniciações e formações no Brasil e no Exterior.

Mas vamos falar do 24 Horas de Poder. É um workshop com duração de 24 horas em que o participante faz uso de ervas medicinais da floresta, como o ayahuasca, o rapé e a sananga. Ah, então é só tomar chá e curtir todo mundo bem louco? Não, aliás muito longe disso. Como disse no começo do texto, o lance funciona e tem funcionado para mim como uma verdadeira transformação de vida. Nas palavras dele, esse trabalho resgata dons, talentos e habilidades que muitas vezes estão adormecidas no nosso interior.

Ali realiza-se uma auto-cura, um processo de limpeza das trilhas, scripts e padrões que levam ao fracasso. Limpa também campos energéticos e sistemas negativos de crenças de outras pessoas e grupos. Quando li que o projeto era isso, tive uma ideia e tudo, mas, francamente, depois que participei, a ideia se ampliou.

Na primeira parte do trabalho, ele promove uma vivência coletiva chamada de “Propósitos Definidos”, em que uma pessoa é escolhida para ir ao centro e uma questão da sua vida é “encarnada” ali pelas pessoas presentes no trabalho. Já no centro, essa pessoa escolhe alguém para representar, por exemplo, sua mente racional. Outra para ser a mente visceral. E por aí vai, incluindo até orixás ou gente da família. As pessoas são estimuladas a sentir o que estão representando, então as respostas surgem de uma maneira mágica, causando uma emoção coletiva muito forte relacionada a tudo o que está rolando ali. Uma pessoa está no centro tendo sua vida vasculhada e resolvida, mas as soluções que surgem acabam servindo para todos os que estão vivenciando a prática.
Após ter passado por isso, vem a parte das plantas de poder (quem leu Castañeda, sabe bem do que estou falando). Uma coisa é tomar Ayahuasca, popularmente conhecida por chá de Santo Daime, num contexto alternativo, sem direcionamento, apenas sentindo o efeito ao fundo de uma música bacana. Outra coisa é ingerir a erva dentro do workshop 24 Horas de Poder. Já tomei em diferentes lugares, mas nada comparado a tomar ali, num ambiente mais preparado, que proporciona uma “viagem”  melhor aproveitada. Só tomamos o chá após a vivência que mencionei primeiro, a que chamamos de Propósitos Definidos. As percepções geradas pela ingestão das plantas de poder passam a ter um significado bem mais especial e claro, uma vez que já há uma intenção a ser trabalhada. É como se seu “Eu Interior” lhe desse respostas para sua vida. Um lance bem específico mesmo. Por exemplo, parei de procurar um emprego melhor e passei a fazer o melhor para meu emprego (se bem que ser produtor é uma eterna busca da perfeição jamais atingida). Acordei para a minha alimentação e meu modo de vida preguiçoso responsável pelos meus quilinhos extras. Passei a fazer caminhada todas as manhãs. Problemas íntimos também foram resolvidos, a possessividade, o egoísmo, a ansiedade. Posso dizer que estou bem menos ansioso e que, melhor do que isso, detecto a ansiedade e trabalho nela quando ela aparece. Então você me diz, “ah, Jesse, todo esse papo eu já sei, as coisas que preciso fazer e não faço”. Mas, como disse, me senti com um poder muito maior para atuar nos campos problemáticos da minha vida e despertei para aproveitar os meus talentos, meus dons, passei a me sentir mais forte e encorajado.
Um exemplo prático: recebi há um tempinho um convite para me apresentar como ator de Stand-Up Comedy. Não aceitava por medo da reação negativa da plateia. Então, após esse trabalho, consegui ouvir meu corpo, minha mente visceral me estimulando a encarar a fera (afinal, já me apresentei como palhaço, diversos programas culturais que apresentei na televisão, entre outras experiências de palco), por que não o Stand-Up? Então, repare, uma porta se abriu na minha vida, uma oportunidade passou por mim e não deixei o medo me impedir de agarrá-la. E não faltou gente para dizer que tinha ouvido falar que humoristas de Stand-Up tinham tendência a entrar em depressão. Não dei a mínima, pois me senti poderoso, ativo espiritualmente. Uma vez que tenho me cuidado espiritualmente, posso enfrentar o que for, não me deter por pessimismo ou medo do fracasso.
Conheci o Mauricio de Luna em 2010, quando o levei para ser o entrevistado do meu programa de TV, o Oráculo, no Portal Osasco.  Por meio de minha namorada, que havia sido minha professora de Yoga, fui parar no ilê onde ele é sacerdote umbandista lá na Serra da Cantareira, no início deste ano (bem num dia 2 de fevereiro, dia de Iemanjá). Dois meses depois, agendei uma consulta individual de Leitura de Vida pelo Opelê de Ifá, um oráculo africano, e ali novamente realizamos um excelente trabalho. Não teve adivinhação. Teve uma renovação de vida, uma máscara, um personagem que eu fazia em performances que descobrimos ser um duplo ou talvez mesmo um obsessor, do qual me despedi, que atuava como um “pai da vida louca” na quarta dimensão desde que meu pai verdadeiro morreu em 1996. No dia, postei no Face, “hoje morreu um personagem, bem no dia em que nasci de novo”. Para você ter uma ideia do que se passou comigo lá… Fui descobrir que tenho uma missão como empreendedor e que sou filho de Oxum e Oxalá. O poder da minha mão esquerda se reconciliou com o poder da minha mão direita. Olha, parece meio doido tudo isso, mas esse é meu depoimento sobre o workshop 24 Horas de Poder e, claro, sobre o trabalho que venho realizando com Mauricio no seu ilê, o Serra do Despertar. Posso dizer que transformou minha vida e para melhor.
JESSE NAVARRO
FONTE: https://blogrockdebate.wordpress.com/2015/04/15/24-horas-de-poder-vou-contar-o-meu-segredo/

Deixe uma resposta